Há três coisas que devem ser evitadas na vida: inimigos, ódio e bondade.

Procuro evitar os três, mas ainda não existe a fórmula da perfeição. 

Por isso vagueio por aí, entre o bem e o mal.

 

início | petit papillon | reflexões | poemas | stórias | curiosidades

19 de Junho de 2008

 

Fui a uma praia que era tão linda que quis deixar de morrer ou morrer eternamente alí. Era uma praia como outra qualquer, muito sol, areia, água... espera, preciso parar e pensar, não pensar mas sentir porque esta praia não é uma qualquer, sinto-me segura, alimento-me de mim mesma.

 

Mas como? Como é que pode ser isso? Uma praia tão linda e como outra qualquer?

 

Como sentir-se segura se o eufórico mar me ameaça e as suas ondas ganham maior dimensão. Não, não fico aqui... não percebo o que estou a sentir. Ai! Não consigo andar nem correr, não consigo fugir daqui. Ajudem-me, por favor! Tirem-me daqui!

 

O que é que está a acontecer, grito e ouço a minha voz mas o velho da praia não desvia o olhar para me ver e para me salvar. Procuro tocar a areia, mas não a sinto, não me sinto. Parece que estou a voar, não sei se o mar avança até mim ou serei eu a avançar para o mar.

 

Procura tocar e sentir o mar mas não o sinto. Ouço uma música marinha suave e sonolenta. Tão doce ouvir o vento sussurrar no meu ouvido. Escuto o mar, mas como posso ouvir a voz do mar... espera, estou a senti-lo dentro de mim. Ai! Ai! Ai! Doi imenso e tento apertar o meu peito mas não consigo. Estou a dissolver, a desaparecer. Eu sou, eu tornei-me no mar.

 

Não toco mas sinto, sou o mar, uma alma do mar. Venho sentada numa onda soltar um último beijo a minha praia, a praia da minha ilha e depois sigo o meu caminho sem o olhar derradeiro dos que partem. Agora sim posso viver, viver intensamente.

 

Oh mar, quando te cansares de mim deixa-me numa praia bem bonita como a que deixei ficar no meu passado, mas não aquela. Quero outra praia, a praia do futuro e continuarei a viver eternamente por ti.

 

E, permita-me vir beijar-te quando necessitar de uma carinho teu.

 

Hildmel

 

vôo de Hildmel às 23:07

Hora de nha terra
Petit Papillon
pesquisar
 
vôs antigos
blogs SAPO