Há três coisas que devem ser evitadas na vida: inimigos, ódio e bondade.

Procuro evitar os três, mas ainda não existe a fórmula da perfeição. 

Por isso vagueio por aí, entre o bem e o mal.

 

início | petit papillon | reflexões | poemas | stórias | curiosidades

21 de Novembro de 2008

Outro dia, junto com uma amiga, estavamos a falar de como o amor as vezes é perfeito. Concluímos que é por isso é que estamos eternamente atrás dele e lembrei-me de um poema de Osvaldo Osório que guardo na minha memória desde sempre.

  

praza a Deus que a ninguém ame

para que a todas eu possa amar

 

se me causa tanta dor o tanto amar-te

mais vale tanto amar que tanta dor

 

Palavras ambíguas de um grande escritor, mas que me faz pensar o seguinte. Toda a dor "de amor" é válida?

 

vôo de Hildmel às 11:28

DSC:
Começamos bem! ehm!

Eis uma questão que há muito tempo tenho debruçado e pela qual não tenho conseguido encontrar uma resposta que me satisfaça .

Ou seja, que amor é esse que faz o Homem sofre? Não devia ser ao contrário! (?) Fazer as pessoas felizes, bem dispostas e sorrir todos os dias (?) Que ou qual amor?

Se dor de amor e válido como bem perguntas penso que não, não seria (nem será) amor, mas sim mais um sentimento qualquer causa a pessoa sofrimento.

Em tempos numa das minhas agradáveis conversas com o nosso poeta, homem sábio e de feitio afável , que o amor é apenas uma palavra que inventamos para traduzir um sentimento que nós próprios não sabemos bem o que é, e que vai para além dos nosso ser. Terá razão o nosso poeta?

Ps: Fazes ideia de quem é o nosso poeta?
21 de Novembro de 2008 às 20:14

Pois o amor pode ser revelado de tantas formas, mas nós sempre sabemos quando ela entra na nossa vida... mas nem sempre pela porta certa e como qualquer outro sentimento é capaz de roubar um sorriso ou a dor, depende do momento. Particularmente (e, talvez erradamente), acredito em momentos e, se os mesmos fossem soltos no tempo seriam mais felizes mas nós humanos estão habituados a guardar, a "aprisionar" tudo pelo qual nos apaixonamos.

Já agora existem tantos poetas no meu universo, qual deles é o NOSSO POETA?

Um abraço
21 de Novembro de 2008 às 21:57

Tanta dor no tanto amar nunca é suficiente para racionalizar... e se toda a dor de amor é válida como perguntas eu diria que essa resposta está sempre no depois e que por muito que a faças estás sempre na sofreguidão.
A pergunta não alivia, mas a resposta também não.
Nada como uma página após a outra, porque a vida é o único livro que não te permite espreitares o fim.
21 de Novembro de 2008 às 20:43

Este é o caminha da vida... altos e baixos. Mas já há muito se diz "tudo vale a pena quando a alma não é pequena". Sejamos grandiosos então, para que tudo valha a pena, mesmo aquelas sem sentido
21 de Novembro de 2008 às 22:00

Como dizia Camões....

Busque Amor novas artes, novo engenho
Pera matar-me, e novas esquivanças,
Que não pode tirar-me as esperanças,
Que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
Andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, enquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê,

Que dias há que na alma me tem posto
Um não sei quê, que nasce não sei onde,
Vem não sei como e dói não sei porquê.
24 de Novembro de 2008 às 16:58

Hora de nha terra
Petit Papillon
pesquisar
 
vôs antigos
blogs SAPO