Há três coisas que devem ser evitadas na vida: inimigos, ódio e bondade.

Procuro evitar os três, mas ainda não existe a fórmula da perfeição. 

Por isso vagueio por aí, entre o bem e o mal.

 

início | petit papillon | reflexões | poemas | stórias | curiosidades

26 de Outubro de 2008

Uma palavra difícil, um sentimento indescritível... Por incrível que pareça encontrei, na voz de uma cantor sul-americano, definições para um sentimento tão lusófono. Ficam alguns trechos...

 

Saudade acompanhada, saudade endemoninhada

tantos gritos, tantas luzes

tanta gente e a saudade!

 

A saudade é uma ingrata, a qual vamos ganhando o gosto

com um risco altíssimo de ficarmos completamente apaixonados por ela.

 

A saudade é um hotel que não é de ninguém

uma cama que não é minha.

 

É acordar as três da madrugada e não saber aonde estou

a saudade sou eu!

 

A saudade é como um suplício da natureza

que faz com que nos encontremos a nós mesmos

para podermos valorizar os outros.

 

A saudade é um espelho que não mente!

 

A saudade são “montes” de sons que ninguém ouve

mas fazem demasiado ruído.

 

A saudade sou eu, na companhia do passado!

 

A saudade é um beijo desperdiçado na almofada

ao ver a sombra e a silhueta de alguém que já não esta.

 

A saudade é uma malvada insuportável e maravilhosa.

Gosto dela e não sei porque.

 

A saudade é estar fazendo nada,

preparar-te,

vestir-te,

sair,

para continuar a fazer o mesmo.

 

A saudade é a companheira do medo,

dos futuros incertos,

do caminho,

da procura,

a saudade!

A música completa está aqui

 

 

 

vôo de Hildmel às 21:57

djeise:
ah beleza
um adora esse artigo
e depos f'kam um pergunta
onde é esse foto???
tcham oia se isso te passa pela enesssssssssssima vez.
28 de Outubro de 2008 às 15:56

obrigada pelo comentário e por entende-lo... sodad tão compreensível pa qualquer cabo-verdiano! Ess fote foi trot na Cabo da Roca (Lisboa) ponto mais ocidental de europa continental, de cara pa atlântico ta pensá na nos terra, na nhas gente, nha cretcheu.
28 de Outubro de 2008 às 20:43

Fica-se sem palavras que digam o pasmo, a viagem, o pensamento que também é um abraço, um desejo ou uma pergunta. Fica-se mudo enquanto as palavras dançam numa salada de emoções, num turbilhão de ideias, de vontades, de caretas feitas ao espelho..

:-)
29 de Outubro de 2008 às 15:29

Djeise:
De certeza com C e com S que bo cretcheu tava tb te pensa na bo la na se djeu ta mira esse oceanao que moda quel morna ta dze
"Ondas sagradas do tejo, dexam dabo um beijo ... um beijo de sodade ... que pa bo levam mar e mar levam nha terra ... e ja agora bo cretcheu.
tcheu bijin pa bo
GM
31 de Outubro de 2008 às 16:25

Lynce:
Olá!
Passei aqui por acaso, e gostei do que vi. Parabéns pelo Blogue, está excelente:))
3 de Novembro de 2008 às 10:24

Hora de nha terra
Petit Papillon
pesquisar
 
vôs antigos
blogs SAPO