Há três coisas que devem ser evitadas na vida: inimigos, ódio e bondade.

Procuro evitar os três, mas ainda não existe a fórmula da perfeição. 

Por isso vagueio por aí, entre o bem e o mal.

 

início | petit papillon | reflexões | poemas | stórias | curiosidades

17 de Outubro de 2008

Uma verdade, uma maneira única de expressar... boa leitura!

 

1
Bandeira
Negra bandeira
Bandeira negra da fome.
Em mãos famintas erguidas
Guiando os passos guiando
Nos olhos livres voando
Voando livre e luzindo
Inquieta e livre luzindo
Luzindo a negra bandeira
Clara bandeira da fome.


2
Mãos erguidas
Em força, duras, erguidas
Pés marcando a revolta
O povo marcha na rua.
Vai na frente o Ambrózio
Mulato Ambrózio guiando
Leva nas mãos a bandeira.
Pesada e fria é a noite
Injusta e amarga é a fome
Mas vai na frente o Ambrózio
E há promessas de luz
para além da negra bandeira
Novos caminhos de amor
De trás da negra bandeira
caminhos novos sorrindo
Florindo novos destinos
Certos
Perfeitos
Abertos
Em olhos famintos abrindo
Destinos claros na frente ...
Em frente marcha o Ambrózio
Negra bandeira voando
Voando livre e guiando
Clara bandeira da fome
Rota e negra luzindo
Guiando o povo marchando.


3
Foi um minuto
Veio o vento e passou.
Mulato Ambrózio foi preso
Julgado e preso o Ambrózio
Preso para longe o Ambrózio
Mandado pra longe o Ambrózio
Longe do povo o Ambrózio.
Mas a bandeira ficou.
Morreu e foi enterrado
Mas a bandeira ficou.

 

4
Chora fome
Chora fome
Chora fome nestas ruas.
Nestas ruas grita fome
Grita fome do teu corpo.
Morre morto e ressuscita
Ressuscita na bandeira
Ressuscita e luta povo
Nos ares solta bandeira
Negra bandeira nos olhos
Clara bandeira da fome
Ressuscita e luta povo.

 

5
Capitão! A voz vem do fundo ...
Capitão dos mortos ultrajados
Capitão dos vivos humilhados!
Nós te afirmamos, neste chão
Continuam os homens a morrer:
De fome continuamos a morrer
Enqaunto o inimigo cresce e cresce.
Continuamos a morrer meu capitão
de fome nestas ilhas a morrer.
Sem culpa e sem razão
Meu capitão
E a morte chega sempre indesejada.
Também indesejada foi a tua
Longe deste chão, meu capitão...
Também indesejada esta tristeza
E esta renúncia cedida ao inimigo...
Alma em sobressaltos, povo meu,
Seja de manhã de noite ou dia claro
Sejam os teus olhos céu aberto
E neles a bandeira desta fome.
Capitão! a voz vem dos mortos
- Vem nos ventos e na lua -
Vem dos vivos sem rumo
Vem nos famintos catando
O seu destino na rua.
Capitão! E a voz
Esta voz somos nós.
Se o choro
Plantando na dor nova flor
Renasce com novo calor ?
Capitão! Esta voz somos nós!
Em cada choro pisado
Em cada choro rolado
Rola a negra bandeira
Clara bandeira da fome.

 

Capitão! volta no choro outra vez!
Chiquinha foi e morreu
Nhonhó partiu e ficou
Mas tu volta pra nós.
Volta e arrasta contigo
Um vento forte que vente
Um vento que vente e que a gente
Ouvindo o forte ventar
Com tanta raiva soprando
Com força tanta correndo
Que a gente ouvindo assim tanto
A gente grita cantando
Capitão Ambrózio chegou!
Chegou o Ambrózio chegou!
Clara bandeira na frente
Negra bandeira guiando
Em mãos seguras erguidas
Em trilhos verdeluzindo
Luzindo a negra bandeira
Clara bandeira na frente
Na frente segue Ambrózio!
Meu pai: manda o povo cantar
Manda o povo cantar na madrugada limpa
Manda o povo cantar com tambores e búzios
Quando o Ambrózio chegar.


Lisboa, 1956

in Latitudes

vôo de Hildmel às 18:02

Curioso o efeito das repetições e pleonasmos, que é como quem diz Não te distraias, e para o garantir, Vou dizê-lo outra vez, E mais uma vez...

.)
19 de Outubro de 2008 às 16:37

voce é fantastica mom petit papillon. sou seu fã
16 de Novembro de 2009 às 15:15

Hora de nha terra
Petit Papillon

ver perfil

seguir perfil

8 seguidores
pesquisar
 
vôs antigos
blogs SAPO